O Monitor na Lua

8 de agosto de 2022

A list in Calvin Frye's diary

O astronauta Alan Shepard usa uma bancada de trabalho portátil durante a missão do Apollo 14 a Lua, 5 de fevereiro de 1971. Cortesia da NASA/JSC.

Em 6 de fevereiro de 1971, na primeira página, o The Christian Science Monitor informava os leitores que a Apollo 14 havia pousado com segurança na Lua. Imagens granuladas enchiam a página, mostrando os astronautas Alan B. Shepard Jr. (1923–1998) e Edgar Mitchell (1930–2016) completando sua primeira caminhada na Lua. A essa altura, tal imagem já era familiar ao público americano — era a terceira missão lunar dos Estados Unidos.1

Após o extraordinário pouso da Apollo 11 na Lua, em 1969, os leitores podem ter ficado desinteressados em repetidos pousos na Lua.2 Mas, na mesma página, foi incluída outra manchete menor: “Monitor on moon” [Monitor na Lua]. Com muito pouco alarde, o jornal internacional noticiou que Shepard havia levado consigo uma cópia de sua primeira edição.3 Assinantes fiéis certamente ficariam interessados.

Shepard tornara-se o primeiro americano no espaço, em 5 de maio de 1961. Ele liderou a missão da Apollo 14, que além de Mitchell, incluía Stuart Roosa (1933–1994). O lançamento foi em 31 de janeiro de 1971, com o retorno à Terra nove dias depois. Os três astronautas passaram um total de 33 horas e meia orbitando e caminhando na Lua. O objetivo da Apollo 14 era principalmente reunir informações científicas, e a tripulação trouxe consigo 49 quilos de amostras de rocha e solo, em sua volta à Terra.4 Embora Mitchell e Shepard não tenham conseguido alcançar uma cratera, como planejado originalmente, a equipe encontrou poucos problemas e completou duas caminhadas espaciais.5

Shepard até celebrou o momento, dando duas tacadas em bolas de golfe, na superfície lunar.6

Funcionários da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) estavam inicialmente preocupados com o êxito de Shepard e sua equipe. Em abril de 1970, a Apollo 13 deveria ter pousado na Lua, mas uma emergência em órbita forçou seu retorno à Terra, causando dúvidas de que outros lançamentos no espaço seriam bem-sucedidos. O Monitor resumiu essas dúvidas, em 30 de janeiro de 1971:

Os US$ 1,6 bilhão orçados para a Apollo, no ano fiscal de 1970, cairão para meros US$ 600 milhões no ano fiscal de 1972… E se a missão Apollo 14 tivesse sido abortada, até as três missões Apollos restantes, já reduzidas a duas, talvez fossem canceladas.7

O Monitor realmente chegou à Lua em 5 de fevereiro de 1971. E acompanhou Shepard durante seu primeiro passeio na Lua, naquele dia. Shepard conseguiu levar a primeira edição completa e mais 100 cópias de primeiras páginas. Isso foi possível porque a NASA conseguiu reduzir o peso do papel ao imprimir em microfilme, um tipo de tira de filme pequena, visível com equipamento especializado.8

Mas como o Monitor conseguiu chegar ao espaço sideral? Foi graças a Joyce Becker, representante de publicidade do Monitor, residente em Houston, Texas. Ela era amiga da esposa de Shepard, Louise. Um dia após o culto na Terceira Igreja de Cristo, Cientista, Houston, EUA, Becker teve essa ideia. Ralph C. Charbeneau, na época Gerente do Departamento de Promoção nA Sociedade Editora da Ciência Cristã, descreveu o curso dos eventos em um memorando para o Gerente, Robert Bergenheim:

O Sr. Shepard disse que já havia concordado em levar consigo a primeira página de dois outros jornais, mas que ficaria feliz em levar o Monitor. Todos concordamos com que a versão em microfilme de todo o exemplar do Monitor nos dá vantagens promocionais, em vez de ser apenas “mais uma” primeira página a ser levada.

Embalamos a edição original microfilmada do Monitor em uma pequena lata de filme de 35 mm (do tamanho de uma moeda de meio dólar e cerca de 3,5 cm de espessura). Também estamos acrescentando o maior número possível de primeiras páginas microfilmadas dessa edição, que a lata comportar. Esperamos conseguir de 50 a 75.

Ao retornarem da Lua, planejamos uma montagem apropriada de cada uma delas, provavelmente suspensas em uma esfera de plástico transparente e com cópia adequada.9

Nenhuma dessas 100 cópias em microfilme foi deixada entre a rocha lunar; todas elas completaram a viagem de 768.800 km de ida e volta entre a Terra e a Lua.10

 

Fotografia de um globo de lembrança, contendo uma primeira página de microfilme do The Christian Science Monitor da Apollo 14.

O Monitor não foi o primeiro texto não científico levado ao espaço. A Apollo Prayer League, formada em 1968 por astronautas da NASA, adotara a missão de levar uma cópia da Bíblia King James para a Lua. Após várias tentativas fracassadas nas Apollos 12 e 13, eles conseguiram cumprir esse objetivo na Apollo 14. Enquanto Shepard carregava o Monitor na primeira caminhada da missão, Mitchell levava 300 cópias da Bíblia em microfilme.11

O Monitor também não foi o único jornal a bordo do Antara, o módulo lunar da Apollo 14. Depois de muito esforço, Al Neuharth, editor do Today (hoje Florida Today), convenceu Shepard a também levar cópias dessa publicação para a Lua – embora ele não tenha atendido ao pedido adicional de que essas fosse deixada para trás, quando a missão retornasse à Terra.12

As cópias do Monitor levadas na Apollo 14 foram posteriormente colocadas em globos e distribuídas como souvenirs13 — e as coleções da Biblioteca Mary Baker Eddy guardam um desses globos. O jornal também fez sua própria promoção, na qual os leitores poderiam, por três dólares, participar da Apollo 14 com suas próprias “reimpressões em tamanho real” da primeira edição histórica.14 Portanto, embora os pousos na Lua possam ter se tornado notícias desinteressantes para alguns, em 1971, essa história singular — e a chance de participar da experiência — certamente chamaram a atenção.

 

A cópia do Monitor da Biblioteca Mary Baker Eddy que foi para a superfície da Lua.

Em 25 de novembro de 1908 — dia de sua primeira publicação — o Monitor incluía um artigo com esta manchete: “A VIDA EM MARTE PODE SER MOSTRADA”.15 Parece apropriado, então, que assim como sua primeira edição detalhou a busca da humanidade por conhecimento, uma edição muito posterior se juntaria à Apollo 14 em sua missão de promover o entendimento científico. A essa altura, o Monitor havia crescido desde seu começo humilde, para se tornar um jornal internacional de sucesso. Ao ir para a Lua, o jornal literalmente chegou a uma nova altura. Mas, sem dúvida, o significado não passou despercebido para Shepard, que conhecia a Ciência Cristã e provavelmente compreendeu o significado mais profundo dessa realização.16


Esse blog também pode ser lido neste site em alemãoespanholfrancês e inglês.

Print Friendly, PDF & Email
  1. Monitor on moon” [Monitor na Lua], The Christian Science Monitor, 6 de fevereiro de 1971, 1.
  2. “Spaceflight fervor—descent path” [Fervor pelo voo espacial — caminho decrescente], The Christian Science Monitor, 9 de fevereiro de 1971, 1.
  3. Monitor on moon”, 6 de fevereiro de 1971, 1.
  4. “Apollo bringing pay dirt” [Apollo trouxe valiosos detritos], The Christian Science Monitor, 8 de fevereiro de 1971, 1.
  5. “What Apollo is all about: the moonwalks” [A missão da Apollo: Caminhadas na Lua], The Christian Science Monitor, 3 de fevereiro de 1971, 1.
  6. “Head, Golf Club, Apollo 14, Replica” [Cabeça do taco de golfe, Apollo 14, réplica], airandspace.si.edu. https://airandspace.si.edu/collection-objects/head-golf-club-apollo-14-replica/nasm_A19751468000.
  7. “Apollo 14 poised at the brink” [Missão Apollo 14 à beira do cancelamento], The Christian Science Monitor, 30 de janeiro de 1971, 1.
  8. “Microfilm” [Microfilme], archives.gov. https://www.archives.gov/preservation/formats/microfilming.html.
  9. Charbeneau para Bergenheim, Arquivos da Igreja, Caixa 3584, Pasta 134533.
  10. “Apollo 14”, nasa.gov. https://www.nasa.gov/mission_pages/apollo/missions/apollo14.html.
  11. “The Lunar Bible” [A Bíblia lunar], museumofthebible.org. https://collections.museumofthebible.org/artifacts/44736-the-lunar-bible?&tab=description.
  12. “Bring a newspaper to the moon? NASA said no, LBJ said no. Astronaut Alan Shepard said yes” [Levar um jornal para a Lua? A NASA disse não, LBJ, presidente dos EUA, disse não. O astronauta Alan Shepard disse sim], Florida Today, 22 de junho de 2021.
  13. Charbeneau para Bergenheim, Arquivos da Igreja, Caixa 3584, Pasta 134533.
  14. “1908 Monitor Journeys To Moon” [Monitor de 1908 viaja à Lua] The Christian Science Monitor, 13 de fevereiro de 1971, 8.
  15. “LIFE ON MARS MAY BE SHOWN” [A VIDA EM MARTE PODE SER MOSTRADA], The Christian Science Monitor, 25 de novembro de 1908, 8.
  16. National Aeronautics and Space Administration, “Press Conference Mercury Astronaut Team” [Conferência de imprensa: Equipe de astronautas Mercury], osu.edu. https://library.osu.edu/site/friendship7/files/2017/06/PressConference.pdf.