O Amanhecer: “Uma obra-prima em termos de talento”

O Amanhecer, de John J. Enneking 0.1253.

Um dos quadros mais significativos que Mary Baker Eddy possuía é O amanhecer, com a imagem dA Igreja Mãe, A Primeira Igreja de Cristo, Cientista, em Boston. Esta é a história por trás desta obra do renomado artista americano John Joseph Enneking (1841-1916).

Pouco tempo depois da dedicação da Extensão dA Igreja Mãe, em 6 de junho de 1906, William B. Johnson, Secretário e membro da Diretoria dA Primeira Igreja de Cristo, Cientista, recebeu uma carta escrita por Pamelia Leonard, em nome da Sra. Eddy (Pamelia era uma funcionária da casa da Sra. Eddy). Nessa carta, havia a seguinte instrução:

…A Sra. Eddy me pediu para lhe escrever, dizendo que ela gostaria que você se encarregasse de lhe enviar uma boa pintura, devidamente emoldurada, mostrando A Igreja Mãe e a Extensão, da forma como estão hoje. 1

Johnson pediu a seu filho, William Lyman Johnson, que era um assistente na Secretaria e membro do Comitê de Finanças, que se incumbisse de encomendar tal pintura. Lyman Johnson tirou fotografias dA Igreja Mãe, que consiste de dois edifícios: o Edifício Original de 1894, uma estrutura em estilo românico, e a Extensão abobada, com detalhes em estilo bizantino e italiano. Dessas fotografias, pai e filho escolheram uma para enviar à Sra. Eddy. Ela aprovou a perspectiva que os Johnsons tinham escolhido e deixou que os Diretores decidissem se o quadro deveria ser pintado a óleo ou creiom.

Os Diretores pediram que Lyman Johnson encontrasse um artista que pudesse “fazer justiça ao tema”.2 Poucos dias depois, ele se reuniu com um grupo de artistas, com quem conversou a respeito de como o quadro dos novos edifícios deveria ser pintado.(Não está claro se Lyman Johnson reuniu ele mesmo os artistas ou se participou de uma reunião convocada por outra pessoa.) 3 Mais tarde, Lyman Johnson contaria que ninguém naquele grupo, a não ser Enneking, ficou interessado em pintar o Edifício Original, mais modesto, junto à imponente Extensão. Enneking sentiu que uma perspectiva a partir do ângulo direito criaria uma composição muito bonita, mostrando os dois edifícios. No dia seguinte, Lyman Johnson foi ao estúdio de Enneking, onde viu esboços que o artista já havia feito. Enneking deu a entender que havia desejado pintar um quadro das duas igrejas desde que o novo edifício fora concluído.

John Joseph Enneking

John Joseph Enneking com idade avançada (Cortesia de Vose Galleries, Boston.)

Enneking ficou conhecido como um dos mais importantes paisagistas do final do século XIX e início do século XX. Nascido em uma cidade pequena de Ohio, ele começou a desenhar ainda menino. Após perder o pai e a mãe no mesmo ano, ele foi morar com os tios em Cincinnati. Lá, aos 16 anos, fez sua primeira exposição, e esse foi o início de sua carreira de artista. Ele frequentou a faculdade St. Mary, em Cincinnati, onde aprendeu os rudimentos da arte de desenhar.

Depois de lutar na Guerra Civil, Enneking foi para Nova York para continuar sua formação como pintor. Logo ele se mudou para Boston, porque ouvira falar a respeito de sua florescente comunidade artística. Lá, conseguiu vender quadros suficientes para financiar a mudança dele e da família para a Europa, em 1872. Ele viajou e pintou, até que por fim chegou a Paris, 4 onde viu os quadros de renomados artistas europeus, entre eles aqueles que mais tarde viriam a ser conhecidos como impressionistas. Enneking pintou com muitos deles, inclusive com Renoir, Manet, Monet e Pissaro. Ficou amigo de Corot e Millet.5

Em 1876, a família Enneking retornou aos Estados Unidos e se mudou para Hyde Park, nas proximidades de Boston. Logo Enneking se tornou figura proeminente na cultura e sociedade de Boston. Ele pintava, ensinava e ministrava palestras. Também gostava muito da natureza e defendia sua preservação.

Um pintor da luz, fascinado com suas variações de intensidade, Enneking frequentemente pintava ao ar livre. Não era incomum ele passar os dias ao ar livre, onde fazia “estudos de cada expressão típica… de cor, tom e valores, à medida que estes se modificavam com o passar das horas pelo efeito atmosférico…” 6 (mais tarde, em seu estúdio, ele transferia os esboços para a tela.) A introdução do catálogo Memorial Exhibition of Paintings by John J. Enneking [Exposição comemorativa das pinturas de John J. Enneking] descreve vividamente a obra do artista: “…ele poetizava o tema como um todo, envolvia-o em ondas de luz, espiritualizava-o com o pensamento e o amor, até que se tornava uma resplandecente e transfigurada harmonia de tons”.7 7 Isso descreve bem seu quadro da Igreja da Ciência Cristã. Em uma carta que escreveu à Sra. Eddy, William Johnson descreveu as intenções de Enneking para o quadro como “fazer com que a beleza da nobre cúpula aparecesse banhada em pura luz”.8

Em preparação para uma reunião com os Diretores da Igreja, William Johnson lhes escreveu para contar a respeito do talento do artista e de alguns dos prêmios que havia recebido. Os Diretores incumbiram Enneking de pintar o quadro dA Igreja Mãe por uma quantia acordada de $1.000 (dólares americanos), o equivalente a cerca de $24.000 (dólares americanos) em valores de 2015. Em uma carta confirmando o preço, com data de 22 de fevereiro de 1907, William Johnson lembrou Enneking que ele mencionara, durante uma conversa com os Diretores em 16 de fevereiro, que o quadro poderia ser finalizado em quatro meses.9 Em Pierce and Kristiansen [152], foi incorretamente relatado que o valor pago pelo quadro foi de $10,000 dólares americanos.)

Nesse meio tempo, Lyman Johnson ajudou Enneking em seu trabalho, proporcionando-lhe informação a respeito do tamanho desejado para o quadro, fazendo anotações quanto à direção e à qualidade da luz no corredor em que a pintura seria pendurada em Pleasant View (a residência da Sra. Eddy em Concord, New Hampshire), e atuando como elo de ligação com os Diretores e a Sra. Eddy. Em julho, Lyman escreveu à Sra. Eddy contando-lhe boas notícias sobre Enneking. Seguindo seu hábito, Enneking completara estudos para o quadro, e havia escolhido dois desses esboços para ela ver e escolher um para o quadro final.10

…Um dos estudos mostrava os dois edifícios à luz da lua, muito poético e encantador, com as luzes de um culto noturno brilhando através das janelas do novo edifício, elevando-se em um fundo de estrelas… O outro esboço representava as igrejas no momento que segue uma forte tempestade. As calçadas estavam molhadas e delas subia vapor, as nuvens carregadas, de cor negro-azulada, … haviam se aberto bem em cima da cúpula e da torre, e a luz do sol se derramava sobre elas com um brilho matinal…

A Sra. Eddy gostou dos dois esboços, mas por fim escolheu o da tormenta vencida.11

William B. Johnson escreveu para a Sra. Eddy em 26 julho de 1907:

O Sr. John J. Enneking, o artista selecionado para pintar o quadro dA Igreja Mãe para a Senhora, concluiu seu trabalho, e para os Diretores será uma alegria lhe enviar o quadro como um presente amoroso de sua Igreja, se a Senhora disser que está pronta para recebê-lo.

O Sr. Enneking expressou o desejo de ir até sua casa e pendurar o quadro pessoalmente, para que fique exposto da melhor maneira possível. Seria conveniente para a Senhora se ele fizesse isso?12

Não há evidências de que Enneking tenha visitado Pleasant View. Mas no dia seguinte, William Johnson escreveu para a Sra. Eddy e anexou uma longa carta de Enneking, na qual ele explicava seu propósito em pintar a igreja da Ciência Cristã.13 (Mais tarde, a carta completa foi publicada no Christian Science Sentinel, de 16 de maio de 1908.) Em sua carta, Johnson falou das realizações e do talento do artista, e explicou que Enneking, embora não fosse Cientista Cristão, estava “bastante interessado e defendia energicamente a Ciência Cristã”, o que talvez explique, em parte, sua inspiração para pintar esse quadro. 14 Enneking chamou o quadro de O Amanhecer, ou, como ele explicou: “O despontar de uma nova fase de expressão religiosa, fundamentada na vida, na verdade e no amor”. Ele continuou: “Eu tinha esse pensamento ou sentimento mais ou menos em mente, enquanto pintava o quadro”. Ao descrever o uso da luz e sombra para representar a Ciência Cristã, Enneking usa termos como resplendor de luz, rosada luz matutina, um esplendor mais cálido, toda uma massa de luz, e luz refletida — expressões comuns pelas quais suas pinturas são mais conhecidas.15

Aparentemente, o quadro ficou esquecido por algum tempo em um lugar escuro do estúdio de Enneking. Talvez isso tenha acontecido, em parte, porque a atenção da Sra. Eddy estava voltada à ação judicial dos “Amigos próximos” e à subsequente mudança dela para Chestnut Hill, Massachusetts, em janeiro de 1908. (O processo dos “Amigos próximos” foi aberto para determinar a capacidade da Sra. Eddy de administrar seus próprios assuntos. O processo teve início no dia 10 de março de 1907, foi encerrado em 21 de agosto de 1907 e foi formalmente indeferido no dia 30 de setembro de 1907.) Devido a esse atraso, o quadro sofreu com um gotejamento causado por excesso de óleo, problema que Enneking teve de solucionar antes de poder entregar O Amanhecer. Em virtude da condição da superfície da tela, Enneking sentiu que as cores “seriam mais intensas e que o quadro ficaria enriquecido” quando fosse exposto em seu novo ambiente. Ele recomendou que o quadro não fosse envernizado por pelo menos três anos. Essa obra, concebida para ficar exposta em Pleasant View, foi entregue na nova casa da Sra. Eddy, em Chestnut Hill, no dia 30 de março de 1908.16

O Amanhecer como esteve pendurado na biblioteca da casa de Mary Baker Eddy em Chestnut Hill (P05795).

Criar um quadro dA Igreja Mãe foi um trabalho monumental para Enneking. Ele mencionou que tivera “momentos de apreensão e desânimo, quando os desafios para apresentar os edifícios de uma maneira artística pareciam intransponíveis”. Lyman Johnson fez a seguinte observação:

O quadro, assim como bons amigos, boa música e boa literatura, é mais apreciado quando estamos em frequente contato com ele. É um quadro que, por meio de seu poder e dignidade, imaginação e esquema de cores, aos poucos vai revelando sua beleza e verdade. Devido à dificuldade do tema e à maneira como o Sr. Enneking lidou com isso, acho que é uma obra-prima em termos de cores, desenho e concepção.17

Mary Baker Eddy reconheceu o empenho de John J. Enneking, em um comentário que mostra seu apreço (excerto da carta publicada no Christian Science Sentinel de 16 de maio de 1908):

Seu quadro dA Igreja Mãe de Cristo, Cientista, distingue o artista, assinala uma história e a ilumina.18

Print Friendly, PDF & Email
  1. Pamelia J. Leonard para William B. Johnson, 2 de outubro de 1906, F00795.
  2. SF – Johnson, William Lyman, Re Enneking’s Painting – “Dawn”.
  3. Ibid.
  4. Jesse B. Rittenhouse, “The Art of John J. Enneking,” Brush and Pencil , setembro de 1902, 335—345.
  5. P. J. Pierce and R. H. Kristiansen, John Joseph Enneking: American Impressionist Painter (Hingham MA, Pierce Galleries, Inc., 1972), 63.
  6. Rittenhouse, 337.
  7. Memorial Exhibition of Paintings by John J. Enneking , Boston Art Club, 2 de março a 17 de março de 1917, catálogo.
  8. W. L. Johnson para Mary Baker Eddy, 27 de julho de 1907, Box 536218, Folder 24947.
  9. W. L. Johnson para John J. Enneking, 22 de fevereiro de 1907, Box 18000, Folder 24948.
  10. SF – Johnson, William Lyman, Re Enneking’s Painting – “Dawn.”
  11. Ibid.
  12. W. L. Johnson para Eddy, 26 de julho de 1907, Box 18000, Folder 24948.
  13. Enneking para Eddy, 27 de julho de 1907, IC 596.
  14. W. L. Johnson para Eddy, 27 de julho de 1907, Box 536218, Folder 24947.
  15. Enneking para Eddy, 27 de julho de 1907, IC 596.
  16. W.L. Johnson para Calvin A. Frye, 27 de março de 1908, IC 153.
  17. W.L. Johnson para Eddy, 30 de março de 1908, IC 593.
  18. Eddy to Enneking, n.d., V04982.