Qual foi a casa favorita da Sra. Eddy?

5 novembro 2021

-

Fotografia de Pleasant View, casa e jardins, pintada à mão depois de 1895 (P06829).

Mary Baker Eddy morou em muitos endereços ao longo de sua vida, desde a amada fazenda da família, em sua infância, até Chestnut Hill, Massachusetts, mansão que ela ocupou nos seus últimos anos. Às vezes nos perguntam se ela teve uma residência favorita.

A Sra. Eddy considerava sua residência favorita a casa que ela batizou de Pleasant View, em Concord, New Hampshire. A biógrafa Gillian Gill fez estecomentário sobre a casa reformada de fazenda, para a qual Mary Baker Eddy sem udou em 20 de junho de 1892, e onde viveu pelos 16 anos seguintes: “A Sra. Eddy estava em seu ambiente em Pleasant View e era franca em reconhecer o prazer e o conforto que o lugar lhe proporcionava”. Gill também observou que “viver em um ambiente de beleza natural era algo muito importante para Mary Baker Eddy. A poesia romântica lhe ensinara, quando menina, a ver e admirar as belezas de seu estado natal, que foi uma meca do turismo no século XIX”.1

John Salchow, que trabalhou por muitos anos em Pleasant View como zelador, também relatou, em sua reminiscência de 1932, como aquele local em particular era importante para Mary Baker Eddy. Ele recordou a seguinte declaração que ela deu, após ter deixado Pleasant View em 1908, para viver em Chestnut Hill:

Depois que ela se mudou para seus aposentos recém-decorados [em Chestnut Hill], seu primo, S. Excia. Henry M. Baker, visitou-a e, enquanto olhava pela janela do escritório de Mary Baker Eddy, falou sobre a bela vista. Algum tempo depois, a Sra. Sargent me disse que a Sra. Eddy comentou com ele que não era tão agradável quanto Pleasant View. Não acho que ela tenha se sentido realmente em casa em Chestnut Hill. Certa vez, ela me disse com tristeza: “Esta não é minha casa. Pleasant View sempre será meu lar”.2


Esse blog também pode ser lido neste site em alemãoespanholfrancês e inglês.

Print Friendly, PDF & Email
  1. Gillian Gill, Mary Baker Eddy (Reading, Massachusetts: Perseus Books, 1998), 387–388.
  2. John Salchow, “Reminiscences of Mr. John G. Salchow” [Reminiscências do Sr. John G. Salchow], 18 de novembro de 1932, Reminiscence, 94.