Mulheres que fizeram história: Lulu Knight

11 fevereiro 2021

A assinatura de Lulu Knight aparece junto com as de alguns outros membros do Curso Normal de 1943 no Conselho do Ensino, na folha de rosto do exemplar de seu professor, John M. Tutt, do livro Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, de Mary Baker Eddy. Assinaturas de outros alunos estão nas páginas seguintes (não ilustradas).

Lulu M. Knight (c. 1885–1968) foi a primeira pessoa negra a atuar como professora da Ciência Cristã.

Chamava-se Lula M. Johnson, filha de Jackson e Laura Johnson, e cresceu em Nebraska. Quando tinha cerca de 20 anos, já havia se casado, frequentado a faculdade por três anos e estava morando em Chicago.

Também já havia conhecido a Ciência Cristã. Ao filiar-se nA Igreja Mãe, em 1912, informou que sua afiliação religiosa anterior era Metodista, em seu formulário de pedido de filiação, o qual foi assinado por sua professora da Ciência Cristã, Ella Peck Sweet, CSD, de Denver, Colorado, EUA. Sweet fora aluna de Mary Baker Eddy e havia trabalhado por um curto período em sua casa em Pleasant View, em Concord, New Hampshire, EUA.

Depois que Johnson ficou viúva, ela trabalhou como subscritora de seguros e tinha sua própria casa, que dividiu por um tempo com o irmão mais velho, William N. Johnson — veterano da Primeira Guerra Mundial e advogado. Casou novamente em 1931 com Arthur B. Knight, que mais tarde fundou sua própria companhia de seguros e imobiliária. A Sra. Knight tinha anúncio como praticista no The Christian Science Journal desde o ano anterior. (Posteriormente, ela fez uma correção no anúncio, mudando o primeiro nome de Lula para Lulu.)

Durante treze anos, Knight conduziu a prática da cura cristã de sua casa na zona sul de Chicago. Em 1943, tornou-se membro do Curso Normal no Conselho do Ensino da Ciência Cristã, ministrado por John M. Tutt, e recebeu o título de CSB, permitindo-lhe ministrar anualmente o Curso Primário da Ciência Cristã. Ela, então, abriu seu consultório no Kimball Building, situado no Loop na região central de Chicago. Knight era membro da Oitava Igreja de Cristo, Cientista, Chicago.

Em 1950, a edição comemorativa de 5 anos da revista Ebony publicou um perfil da Ciência Cristã entre os negros. Observou que “a fé tem uma professora negra, a Sra. Lula B. [sic] Knight, esposa de um corretor de imóveis de Chicago, e reconhecida professora das doutrinas da Ciência Cristã desde 1943”.1

Knight testemunhou mudanças na sociedade dos Estados Unidos, bem como na Igreja de Cristo, Cientista. Sua filiação nA Igreja Mãe em 1912 recebeu anotação “(Negra)”. Seu anúncio no Journal recebeu a designação “(de cor)” até 1956, quando essa indicação foi retirada dos praticistas negros. A Ebony relatou uma situação complexa no movimento da Ciência Cristã em 1950:

A atitude da igreja em relação à questão racial é idealisticamente justa, mas nem sua diretoria (o corpo governante) nem seu manual definem qualquer política geral com relação à questão de cor. A igualdade é um ideal em direção ao qual se busca chegar “o mais humanamente rápido possível”.

No sul dos Estados Unidos, a igreja obedece a padrões existentes e leis estaduais que impedem que pessoas de diferentes raças se misturem, mas em Washington, DC, negros e brancos frequentam as mesmas igrejas. Em Birmingham, Alabama, membros negros e brancos da igreja costumavam se congregar juntos, mas passam a realizar reuniões separadas, devido à agitação intensificada em prol da segregação racial, promovida por autoridades municipais. Os dois grupos gostariam de se congregar, mas a “lei” os força a observar as leis de Jim Crow. Em Boston, nenhum registro de histórico racial é mantido na lista oficial mundial de membros dA Igreja Mãe.2

Knight estava no palco participando do programa da Assembleia Anual dA Igreja Mãe de 1961. Ela leu episódios de cura pela Ciência Cristã enviados do mundo todo, para os 7.000 participantes. Os relatos que ela compartilhou incluíam curas de “perturbações cardíacas, trismos, papeira, asma, tuberculose, tumor e ossos fraturados”.3

Lulu M. Knight fez uma contribuição significativa para a cura pela Ciência Cristã em Chicago e em outras partes dos Estados Unidos, principalmente entre os negros no meio-oeste, Oklahoma e sul da Califórnia, onde muitos de seus alunos residiam. Em uma carta de 1967 à Diretoria da Ciência Cristã, ela escreveu: “Depois de passar quase quarenta anos curando e ensinando pela Ciência Cristã, de forma alguma encaro minhas obrigações com a Causa da Ciência Cristã levianamente. Eu entendo suas exigências e tenho me esforçado para cumpri-las”.4

Print Friendly, PDF & Email
  1. “Christian Science”, Ebony, novembro de 1950, 60.
  2. Ibidem. O comentário sobre os registros de membros pode refletir uma mudança progressiva depois que Knight se tornou membro em 1912.
  3. “Assembleia Anual dA Igreja Mãe”, O Arauto da Ciência Cristã, outubro de 1961. https://pt.herald.christianscience.com/shared/view/1bycpoz4wti?s=e.
  4. Knight para a Diretoria, 25 de setembro de 1967.